quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013


Encontro Nordestino de Cordel vai cobrar mais benefícios para artistasBenefícios, como direito à previdência, serão reivindicados para artistas ligados ao gênero

Publicação: 13/02/2013 :
Xilogravura de J. Borges, o mais famoso gravador nacional em atividade (Carlos Silva/CB/D.A Press)
Xilogravura de J. Borges, o mais famoso gravador nacional em atividade
A literatura de cordel passeia por terras brasileiras desde o início da colonização. Lá se vão séculos. Nem por isso, os artistas ligados ao gênero gozavam de qualquer prestígio. Principalmente, àqueles relacionados aos direitos trabalhistas. A vocação era exercida informalmente. A partir de 2010, graças ao I Encontro Nacional Nordestino de Cordel em Brasília (2009), o empurrão final foi dado e a Lei 12.198/2010 entrou em vigor, depois de pastar 25 anos no Congresso.

Segundo o texto, repentistas, emboladores de coco, contadores de causos populares e cordelistas devem ser reconhecidos como profissionais artísticos e, então, usufruir dos direitos destinados à classe. Avanço tardio, porém imprescindível. Apesar da regulamentação, vários entraves ainda pautam o setor. Destarte, fundamental a realização do segundo encontro — que acontece a partir de hoje (e segue até sexta), no Teatro da Caixa — e a manutenção da discussão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário